Caramanchão é poesia coberta de for

Quando penso em caramanchão,  não consigo dissociá-lo dos cenários imaginários das obras literárias e poéticas que já li. Se a própria palavra me remete à poesia, ver um caramanchão florido é como vislumbrar um cenário romântico saído da literatura e incorporado no mundo real.

“… Caramanchão já sem folhas neste outono em que vivemos, a noite não tem escolhas, então, estrelas conversemos.”

(fragmentos do poema Canto de Outono – Silmar Bohrer)

Um caramanchão é uma estrutura que pode ser feita com ferro, alvenaria, madeira, etc, situada preferencialmente em meio ao jardim, ou seja, desligada da edificação principal, cuja cobertura é preenchida com plantas do gênero trepadeiras, características estas que o diferem dos pergolados, estruturas que abordarei num próximo post.

O caramanchão, pode ser um pórtico na entrada da edificação, um pequeno espaço para o descanso e  contemplação em meio ao jardim e até um espaço para receber ao ar livre com várias possibilidades de uso.

Quanto a atmosfera, romântica, moderna, temática, etc, desejada para uma área externa,  cabe à um bom projeto paisagístico prever, de acordo com as condições e intenções dos usuários, os detalhes para a criação dos diversos cenários que terão como estrutura principal o caramanchão.

Veja alguns exemplos que selecionei para sua apreciação e inspiração:

Passeio sob o Caramanchão da Casa de Rui Barbosa – Rio de Janeiro – Brasil

 

Jardim Botânico de Amsterdã, Caramanchão como espaço de descanso.

 

Em versão mais doméstica, este Caramanchão produz sombra natural neste pátio para refeição.
Aqui, todo florido o espaço do Caramanchão é destinado ao descanso e contemplação, além de ser destaque no jardim.

A característica marcante do caramanchão é a cobertura vegetal a que sua estrutura se destina, e justamente o revestimento com plantas foliares ou floridas, é o que dá o toque romântico tão explorado pela literatura e poesia. Aliás, poesia e jardim para mim são coisas que se complementam, tanto que a descrição abaixo sobre o objetivo fundamental da poesia, se enquadra perfeitamente com o sentido filosófico de um Jardim:

“mostrar a perene novidade da vida e dos mundos; atiçar o poder de imaginação das pessoas libertando-as da mesmice e da rotina; fazê-las sentir mais profundamente o significado dos seres e das coisas; estabelecer entre estas correspondências e parentescos inusitados que apontem para uma misteriosa unidade cósmica; ligar entre si o imaginário e o vivido, o sonho e a realidade como partes igualmente importantes da nossa experiência de vida.”
(Paes apud Alves, 2001, p.62)

Abraços,

Sejamos Felizes!

Imagens: Web

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *