Jardim na varanda – Dicas de como fazer

 

Um equívoco muito comum sobre jardinagem é que ela requer uma grande área e um monte de dinheiro. Isso faz com que muitas pessoas que moram em cidades grandes e dispõem de pequenos espaços, além de orçamentos apertados, desistam de plantar e cultivar seu “Jardim”, e por que não, seu próprio alimento. Se você é uma dessas pessoas, tenho uma boa notícia:

Você pode cultivar seu jardim ou horta, numa varanda pequena ou, se não tiver varanda, num espaço interno perto de uma janela que receba sol, e com poucos recursos em sua conta bancária através de um planejamento prévio. Partindo do princípio que uma planta em um recipiente, pode ser considerada um jardim, e sabendo que atualmente, cada vez mais opções de jardins estão disponíveis, nenhum espaço é muito pequeno para se ter um jardim.

Planejando sua varanda

Ao planejar seu Jardim na Varanda, a primeira consideração é determinar a finalidade do espaço que você quer criar. Você pode querer cultivar uma pequena horta, ter um jardim de ervas, um canto com plantas para meditação, um canto cercado de Natureza para receber os amigos, etc.

Definido isso, olhe para seu espaço e pense nas possibilidades que caibam nele, como por exemplo, um banco, uma cadeira, ambos, mais uma mesa, etc., e em como você poderia dispor os recipiente, vasos e floreiras, nos quais plantará seu jardim.

A segunda consideração é definir as plantas que vão compor seu jardim, avaliando o porte de cada uma para escolher o tamanho adequado dos vasos.

Em seguida, observe o caminho da luz solar em sua varanda, para escolher os locais mais adequados às plantas, por exemplo, plantas como begônias e fuchsias preferem áreas sombreadas, enquanto gerânios, petúnias e mal-me-queres, precisam de pleno sol.  É importante observar as condições relativas a incidência de luz solar na sua varanda para avaliar que tipo de planta se adaptará as condições existentes.

Outro fator a ser observado é o vento, pois se forem fortes podem danificar as plantas que forem frágeis. Nesse caso, pesquise quais plantas são tolerantes a ventos fortes para compor seu jardim.

O que considerar ao escolher os recipientes:

Como a ordem é criar um Jardim com economia, ao planejá-lo, comece a selecionar recipientes que normalmente são descartados no seu cotidiano. Existem muitas possibilidades neste universo de descarte que podem ser reciclados e utilizadas para esse fim, e ainda proporcionar resultados estéticos surpreendentes.

Você pode optar por utilizar recipientes recicláveis como latas de tintas, barris, caixas e paletes de madeira, cestas, potes e baldes plásticos, e toda sorte de objetos reciclados. Mas, seja qual for a opção, lembre-se de fazer furos para a drenagem no fundo de cada recipiente.

  • Tamanho – Quando se tratar de ervas, frutas ou legumes, mais é sempre melhor, quanto maior o recipiente, maior será a safra. A regra para a maioria dos vegetais são recipientes com tamanhos a partir de cinco litros.
  • Peso – Mas, ao optar por recipientes grandes, tanto em altura, quanto em largura, certifique-se de que o fundo do mesmo possa suportar o peso da terra mais o da planta. E, se você pretende mover o recipiente, deslocando-o no espaço, verifique se o peso permitirá.

Uma dica é escolher recipientes de materiais leves como os de plástico, fibra de vidro e sintéticos. Uma outra vantagem do plástico é que ele não deixa a terra secar muito rápido, como ocorre com materiais cerâmicos, principalmente sem impermeabilização.

Os vasos cerâmicos comumente agradam, e o que não faltam são variedades de tipos que vão desde os simples vasos de barro crus, aos impermeabilizados, e aos cerâmicos esmaltados, etc. Mas, no caso dos vasos de barro sem impermeabilização, estes por serem porosos fazem com a terra seque mais rapidamente. Nada que impeça o uso, mas é preciso regar com mais freqüência.

Do mesmo modo nos recipientes de madeira não tratada, a terra também secará rapidamente, mas nesse caso, uma saída é revestir as paredes internas com folhas de plástico, ou fazer como nos vasos de barro, regar com mais freqüência.

Com relação aos recipientes de metal, embora sejam aceitáveis, existem alguns contras como o fato de que aquecem rapidamente quando o clima está muito quente e também deixam de fornecer o isolamento adequado quando a temperatura está muito baixa. Assim, se as condições meteorológicas forem extremas, é melhor revesti-los com plástico ou usar esses recipientes somente dentro de casa.

Solo:

Quanto a terra para montagem dos vasos/recipientes, sugiro comprar terra preparada vendida em mercados de plantas, gardens centers, etc., pois são mais leves, tanto para carregar como para preencher os vasos deixando-os também mais leves, além de ser esterilizada, ou seja, livre de sementes de ervas daninhas, e já conter em sua mistura substratos necessários às plantas.

Mas, você pode optar também por fazer uma mistura com terra comum e terra preparada, aliás se for transferir uma planta já plantada de um recipiente para outro, você já vai aproveitar o torrão junto com a terra, só acrescentando, no caso de um recipiente maior, a terra preparada para completar o espaço.

Regas:

A água, fonte de vida, é fundamental também para as plantas, mas em excesso, também pode prejudicar, por isso, verifique se todos os recipientes nos quais fará os plantios, possuem furos para drenar o excesso de água. É muito comum para a maioria das pessoas, regar excessivamente suas plantas até verem a água escorrer, o que é errado, pois desse modo estão lavando a terra e com isso retirando dela os nutrientes necessários ao bom desenvolvimento das plantas.

A terra, no caso de recipientes/vasos, deve receber água suficiente para umidecê-la e não encharcá-la, para isso verifique diariamente, afundando o dedo na terra, se ela esta úmida ou seca, pelo menos no início, pois a medida que o tempo for passando, você já terá desenvolvido o conhecimento de suas plantas sabendo dosar as regas e os cuidados necessários quanto a limpeza e fertilização. No caso de espaços como varandas, é importante também verificar se existe escoamento para excesso de água sem ocasionar desconforto aos vizinhos.

Fertilizantes:

Devido as regas constantes, com o tempo as plantas precisão de fertilizantes para recompor as perdas dos nutrientes da terra, quanto a isso sugiro que você utilize os orgânicos como farinha de ossos, emulsão de peixes, entre outros que poderão ser orientados pelos fornecedores das plantas, sempre preferindo evitar os químicos que são prejudiciais a saúde e ao meio ambiente, principalmente se seu jardim for comestível.

Função:

Quando você está criando um jardim na varanda, mesmo que num pequeno espaço restrito a um apartamento, na verdade, você está projetando um espaço ao ar livre. Com relação a isso, tenha em mente que este espaço deve ser considerado como uma extensão da sua sala por exemplo, onde a coordenação dos elementos, como cores, objetos, etc., poderá acrescentar um charme todo especial através da integração desses espaços, tanto de dentro para fora, como de fora para dentro.

Ponto Focal:

Com relação a integração dos espaços, você também pode criar um ponto focal, ou seja um ponto de destaque, como um vaso grande, um detalhe de água, uma planta especial, uma cor, etc., que chame a atenção para o seu jardim na varanda, o que também agregará mais valor estético ao seu espaço geral.

Cor:

Em espaços pequenos o uso de muitas cores pode ocasionar uma saturação que quebrará a harmonia pelo excesso do elemento cor. Nesse sentido, sugiro que você não peque pelo excesso, uma dica é escolher três cores como por exemplo: vermelhos, laranja e amarelos; ou azuis, rosas e brancos; ou vermelhos, brancos e roxos, etc., que mescladas com o verde das folhagens promoverão uma harmonia mais equilibrada sem deixar o espaço pesado, e isso vale também para a combinação de elementos como objetos, mobiliários, etc.

Cores frescas e claras fazem com que o espaço pareça maior, enquanto cores fortes e intensas tendem a passar uma sensação de diminuição. Então se quiser que seu espaço passe uma sensação de leveza e de ser maior, abuse da cor branca mesclada com tons claros e frescos, falando em frescor não esqueça de incluir algumas flores ou plantas com perfume, para agregar mais vida e sensações prazerosas ao seu jardim.

Luz:

Para prolongar o uso do jardim na varanda no período noturno a luz é fundamental. Normalmente os espaços de varanda em prédios de apartamentos, já contam com um ponto de luz, mas você poderá criar outros com luz indireta para realçar um canto com plantas por exemplo, ou simplesmente para criar uma atmosfera mais aconchegante e relaxante, nesse caso, vale até a luz de velas.

Gostou das dicas? Compartilhe! Depois traga sua experiência para o “jardim”, mande fotos, conte, sua história. Vamos juntos incentivar mais pessoas a se aproximarem da Natureza, e com isso conquistarem mais saúde e Bem Estar no seu dia a dia.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Imagens: minhas seleções pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *