Sonoridade e Encantamento dos Furins

“Furin” – assim são chamados os tradicionais sinos do vento do Japão. Furin significa literalmente “sinos de vento” e tem origem chinesa. É um objeto simples, mas dotado de muita graça e singeleza, que encanta não só através dos variados formatos, mas também através da suave sonoridade quando é embalado pelo vento.

Estima-se que os primeiros Furins surgiram por volta de 11.000 a.C, na China para fins religiosos, quando tratavam-se apenas de sinos de metal sem badalo, eram chamados de “Yong Shong” e feitos somente por artesões qualificados para isso.

Posteriormente os chineses criaram o “Feng Ling”, sino semelhante ao Furin de hoje em dia. Os Feng Lings eram pendurados em templos e pagodes para afastar os maus espíritos e atrair felicidade e sorte às pessoas que frequentavam o local.

Hoje os “Sinos do Vento” – Furins –  são pequenos sinos decorativos que soam com o movimento do vento. Feitos de materiais variados como o metal, bambu, cerâmica, porcelana, etc., são comumente pendurados em galhos de árvores, berais de edificações, sacadas, janelas e todo tipo de local que permita sua livre movimentação e sonoridade ao sabor do vento.

A característica destes sinos parte de uma estrutura principal com formas variadas, na qual pode ser pendurado desde um único pêndulo a inúmeros fios que sustentam diversos materiais com a proximidade suficiente para que se choquem quanto tocados e movimentados pelas mãos ou pelo vento.

A circulação do vento local provoca o movimento do sino simples ou composto, que emite uma sonoridade que segundo as tradições do Oriente, afastam os maus espíritos e atraem a sorte.

Alguns sinos tradicionais que são encontrados no mercado, possuem uma tira de papel sob um dos pêndulos que costuma trazer uma inscrição de um poema ou dizeres de proteção.

No Japão, o sino do vento, é associado a chegada do verão, tendo seu som considerado típico desta estação quando seu tilintar provoca a sensação de frescor anunciada pela brisa.

O som produzido também interage com a energia de cada pessoa, acalmando o estado de espírito. Por isso, é melhor colocar os sinos onde exista uma brisa leve para que seu som seja suave e desse modo, agradável, e não estridente e cansativo.

Quando emitido com suavidade o som do sino do vento evoca uma sensação de relaxamento, pois seu som é considerado um som alfa, ou seja, um som encontrado no primeiro estágio do sono ou de meditação. É o som que acalma de forma mais natural que o ouvido humano conhece, tanto que estudos já provaram que ao reduzir o esforço, ele realça a faculdade criadora, expande a consciência e fornece um sentido de contraponto natural de flutuabilidade.

Eu gosto tanto destes sinos que tenho vários e posso garantir que valem a pena, pois além de embelezar qualquer cantinho, sua sonoridade é uma delícia de se ouvir, principalmente quando tudo o que queremos é dar uma pausa e relaxar…

Veja os “Sinos de Vento” mais criativos que selecionei para sua inspiração…

São infinitas as possibilidades para criar sinos que enfeitam nossos espaços e brincam com o nosso olhar. Seja qual for a forma que compõe o sino com ludicidade, a mágica só acontece quando o vento provoca seu movimento, fazendo-o emitir a sonoridade que nos embala e transporta para um estágio no qual a consciência flutua em sonhos bons…

Fontes:Japancultpop.br; japaoemfoco; seleções Pinterest.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *