O Valor do Artesanato

 

As produções de todas as artes são tipos de poesias e seus artesãos são todos poetas. (Platão)

Não podemos falar da cultura do artesanato no Brasil sem mencionar o legado de Janete Costa que desenvolveu uma carreira marcada por importantes projetos de arquitetura, design expositivo e de produtos, mas, sem dúvida, sua contribuição maior se deu na divulgação da arte popular e do artesanato brasileiro. Sua preocupação com os artistas populares e sua inserção no mercado de trabalho, emergiu muito cedo em sua carreira cujo ideal foi o de fazer com que a Arte, a Arquitetura e o Design, expressassem, no Brasil, as identidades culturais locais. Sua ação foi decisiva na valorização da arte popular brasileira e dos artistas, visando a inclusão social e geração de renda através de seus projetos. E nesse sentido, Janete considerava essa integração “…uma questão de brasilidade”, ao mesmo tempo em que dava em seus projetos, um lugar de destaque aos trabalhos de artesãos e artistas populares.

O artesanato aquece e embeleza os ambientes, não se trata de alternativa barata. (Janete Costa)

Pesquisadora da arte popular a cerca de 40 anos e uma das maiores conhecedoras do artesanato brasileiro,  Janete Costa, sempre procurou incorporar peças produzidas artesanalmente em seus projetos. Na sua opinião o artesanato merecia sair dos limites regionais para atingir um valor que assegurasse ao artesão uma melhor qualidade de vida. Não é para menos, pois o artesanato brasileiro rico em diversidade fruto da mescla cultural que só o nosso país possui, merece ser destacado. Conheça o Museu de Arte popular Janete Costa no Rio de Janeiro – Aqui.

O artesanato representa hoje, na maioria dos países em desenvolvimento, um segmento expressivo de seu produto interno bruto (PIB), que é a soma das riquezas produzidas por um país; além de seu inegável valor social (pela quantidade de mão de obra que ocupa) e seu inestimável valor cultural por ser a expressão mais autêntica do saber e do fazer popular. Aplicado em diversos outros segmentos produtivos empresta-lhes valor e diferencial competitivo, principalmente quando associado com outros produtos industrializados, podendo ser um componente estratégico ou até mesmo uma embalagem especial.

Artesanato com palha de taboa

“Já há algum tempo o trabalho artesanal desafia com ousadia resquícios de preconceitos para colocar-se lado a lado com o design. Dentro de uma nova ordem onde o feito à mão desponta com o valor humano impregnado de história e registros de ancestralidade, consolidam-se em ações de resistência à massificação propagada pela industrialização.  Esse recorte de valorização e revitalização do objeto artesanal inspirou o livro Design + Artesanato: o caminho brasileiro, lançado recentemente pela jornalista, escritora e professora de história do design, Adélia Borges. No conteúdo, um mosaico de tradições espalhadas de Norte a Sul apresenta possibilidades de um modelo sustentável e empreendedor capaz de atender demandas do mercado contemporâneo e transformar vidas. Sobretudo, de quem ainda preserva saberes e sentimentos na palma das mãos.”(Raquel Medeiros)

Imagem do Livro de Adélia Borges – Artesanato com capim dourado
Cerâmica artesanal do Pará
Flores do Cerrado – Imagem do Livro de Adélia Borges
Flores de cerâmica do Cabo de Santo Agostinho – Pernambuco
Imagem do livro de Adélia Borges
Mosaicos do artesanato brasileiro – Imagem do Livro de Adélia Borges
Cortina feita com fibra de Tururi, palmeira da Amazônia

Na indústria de móveis e objetos de decoração o artesanato vem sendo incorporado como peça em si mesma ou como parte ou componente, como um tampo de mesa, o estofamento de uma cadeira, um detalhe ornamental como uma marchetaria, etc. Mesmo na indústria de bens e consumo o culto ao artesanato ressurge como novo diferencial de qualidade e humanização, como nas assinaturas em relevo impressas nos monitores dos computadores machintosh, ou nos estofamentos de couro e painéis de madeira de carros de luxo. Enfim, o artesanato além de contribuir tanto para se conhecer como preservar na memória as raízes culturais e regionais de um povo, também agrega valor aos objetos e ambientes de convívio. No caso dos ambientes, a incorporação do artesanato resulta em espaços personalizados dotados de personalidade e expressão cultural.

Abaixo selecionei algumas criações que ilustram a união entre Artesanato e Design para sua apreciação e inspiração…

Criações de Louise Campbell
Cadeira criada pelos irmãos Campana.

 

Pufe criado pelo designer Sergio Matos

O valor intrínseco do artesanato está no fato de ser carregado de significados que fazem com que sua inserção nas esferas das relações de consumo vá além da depreciação dos produtos industrializados feitos em série, pois o artesanato atende a desejos e valores na sociedade, o que gera sua aceitação em larga escala. “Quem compra artesanato, está comprando também um pouco de história” nem que seja a sua própria história de viagens e descobertas” (Barroso, 2002)

Não há cidadania sem memória. E não há memória sem Arte… A Arte é o espelho da pátria. O país que não preserva os seus valores culturais jamais verá a imagem de sua própria alma.” (Chopin)

Abraços! Sejamos Felizes!

Imagens: Web/google/pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *